energia-eolica-offshoreO LIMA aceitou o projeto de duas novas pós-doutorandas, Elianne Omena e Luciana Contador, na linha de pesquisa sobre Impactos Ambientais da Energia Eólica off-shore. Ambas foram aprovadas recentemente como pós-doutorandas na reunião de dezembro do colegiado do PPE.

Conheça um pouco sobre o trabalho e o perfil das pesquisadoras recém-chegadas: 

Projeto de Elianne Pessoa Omena

Avaliação Estratégica do Risco à Biodiversidade (AERB) para a Geração Eólica Offshore

Resumo:

O objetivo do projeto é propor uma metodologia de avaliação dos riscos à biodiversidade – decorrentes da geração eólica offshore - denominada Avaliação Estratégica do Risco à Biodiversidade (AERB), como parte integrante de estudos de Avaliação Ambiental Estratégica (AAE). Pretende-se testar a hipótese de que a incorporação da avaliação do risco à biodiversidade nos estudos de AAE, associada aos impactos decorrentes da operação normal, pode fornecer importantes subsídios ao processo de seleção das alternativas locacionais e tecnológicas que compõe os planos e programas da geração eólica offshore, reduzindo o risco de danos à biodiversidade. Para validar a metodologia proposta serão utilizados dois estudos de caso no litoral nordeste do Brasil.

Perfil da pesquisadora:

Elianne Pessoa Omena é bióloga marinha (UFRJ/1988) com mestrado e doutorado em ecologia (UFRJ/1991 e Unicamp/1998). Foi pesquisadora e docente da UFRJ e UFBA, onde ministrou disciplinas nas áreas de zoologia, ecologia e oceanografia, e desenvolveu  projetos de pesquisa como apoio da Capes e CNPq. É autora de 14 publicações científicas e 4 capítulos de livros sobre ecologia do bentos marinho e macrofauna de praias arenosas. Coordenou 3 projetos de pesquisa sobre caracterização e monitoramento de ambientes marinhos e atualmente participa do PELD-Guanabara, projeto de monitoramento em longa duração da Baía de Guanabara.  Nos últimos 4 anos trabalhou como pesquisadora na Petrobras atuando junto a coordenação do projeto de Caracterização Ambiental da Bacia de Sergipe-Alagoas,  onde desempenhou as funções de gestão integrada de grupos de pesquisa multidisciplinares, articulação com diferentes interlocutores (empresa, universidade e órgãos ambientais), acompanhamento e avaliação de relatório técnicos, alimentação de banco de dados e produção de material de divulgação científica.  É revisora de artigos científicos e avaliadora de projetos de pesquisa. Trabalha como consultora do Instituto de Brasileiro de Biodiversidade, uma organização sem fins lucrativos, onde ministra palestras e cursos sobre problemas ambientais contemporâneos.  É sócia-diretora da Empresa Conchas onde presta consultoria na área ambiental. 

Projeto de Luciana Silva Contador

Geração de Energia Eólica Offshore no NE do Brasil: Impactos na Conservação de Mamíferos Aquáticos

Resumo:

O compromisso global em reduzir as emissões de gases de efeito estufa tem incentivado o uso crescente de fontes renováveis de energia. A geração eólica é uma das principais fontes alternativas de energia e a que mais tem crescido na Europa e nos Estados Unidos, sendo responsável por 3,5% da eletricidade produzida no mundo. Devido às restrições ambientais, aos impactos sociais em terra e a uma maior produtividade, muitos países têm investido em parques eólicos offshore. O Brasil ainda possui grande potencial eólico onshore a ser explorado, mas também possui grande experiência em empreendimentos offshore para a prospecção de petróleo, o que pode contribuir para o desenvolvimento futuro de parques eólicos offshore. A exploração de energia eólica gera impactos no ambiente marinho. Os mamíferos marinhos são extremamente sensíveis aos impactos sonoros gerados sobretudo durante a etapa de instalação do parque eólico. Este estudo visa identificar as áreas e épocas do ano mais sensíveis em relação à presença de mamíferos marinhos para subsidiar a escolha de local e planejamento de obras para futuros parques eólicos offshore na costa nordeste do Brasil.

Perfil da pesquisadora:

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro(1997), mestrado em Ciências do Mar pela Universidade Santa Úrsula(2000) e doutorado em Ciências do Meio Ambiente pela Université Pierre et Marie Curie(2006). Trabalhou no Instituo Nacional de Tecnologia e na Universidade Santa Úrsula. Tem experiência na área de Microbiologia Ambiental, com ênfase em Ecologia Microbiana Marinha, Biocorrosão e Biodegradação.

Topo